Forçar a criança a comer pode levar a neofobia alimentar!

neofobia

A neofobia alimentar (rejeição a novos alimentos) embora seja hereditária, também pode se expressar pelos fatores ambientais, como, por exemplo, crenças maternas e pressão imposta a criança na hora de comer. Essa situação pode limitar a variedade da dieta e, como consequência, levar a hábitos alimentares inadequados o que poderá interferir no crescimento e desenvolvimento das crianças. Estudo australiano avaliou as relações das crenças alimentares de 244 mães, e a expressão da neofobia alimentar nas crianças. Para participar do projeto, as mães tinham que ser de primeira viagem e não possuir nenhuma doença. Seus filhos também não podiam apresentar doenças agudas ou crônicas. Os resultados mostraram que as mães excessivamente preocupadas com seus filhos, querendo que comam de tudo e não se tornem magros, assim como também, a falta de percepção da fome e saciedade de seus filhos, foram fatores associados a maior pressão para comer e maior neofobia alimentar da criança aos dois anos de idade. No entanto, segundo os autores, dada a natureza bidirecional da relação alimentar mãe-filho, não se pode descartar a possibilidade de que as dificuldades da alimentação infantil nos primeiros meses pode de fato contribuir para as crenças alimentares e ansiedade das mães. Os resultados deste estudo sugeriram que a expressão de neofobia alimentar na infância pode de certa forma ser reduzida, se as questões sobre o ganho de peso, as características alimentares das crianças, sobre a fome e saciedade fossem esclarecidas às mães, contribuindo assim com a redução da ansiedade das mães com relação à alimentação dos filhos, especialmente nos primeiros anos de vida.A promoção de práticas alimentares positivas, exposições repetidas de novos alimentos para facilitar a aceitação pela criança, para se conseguir maior variedade de alimentos na dieta é extremamente importante para a formação de hábitos saudáveis. Sabe-se que as crianças necessitam de 5 a 10 exposições do alimento novo para que ela passe a incorporá-lo a sua rotina alimentar e crianças de 3-4 anos pode exigir até 15 exposições. Apesar disso, os pais geralmente não persistem em oferecer novos alimentos porque eles acreditam que seus filhos não gostam da comida.

Cassels EL, Magarey AM, Daniels LA, Mallan KM (2014) The influence of maternal infant  feeding practices and beliefs on the expression of food neophobia in toddlers. Appetite 82, 36–42.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Nutrição Infantil, transtorno alimentar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s